quarta-feira, 21 de outubro de 2015

A "Democracia" Ingerente

Ao coro dos abencerragens que têm vindo a "alertar" para os "perigos" de um governo apoiado à esquerda  em Portugal e que vão "apelando" ao "bom senso" que, nunca nos podemos (olha, não rimou mas aludiu) esquecer  é "a coisa do mundo mais bem distribuída", juntou-se Joseph Daul presidente do Partido Popular Europeu (depois de Rajoy e quejandos, sem esquecer os "nossos" José Manuel "forget about the Durão" Barroso e Paulo Rangel). Sempre acenando com a Grécia e ameaçando de maneira cada vez menos subtil, como quem diz: Deixemo-nos de "filosofias", vamos ao que interessa, com "cenários" que vão até à "expulsão" do Euro (se calhar...).
Esta passagem ao acto, por enquanto verbal, configura uma descarada ingererência nos assuntos internos de um país que ainda é, pelo menos formalmente, independente. Passamos então da fase da democracia emergente ao da democracia ingerente.
Pelos vistos começou o "federalismo da cachaporra".

4 comentários:

São disse...

Como pode a falecida UE respeitar-nos depois da tinta Maria Luis Albuquerque andar a fazer papel de animal amestrado???

Abraços para vós

Clepsidra disse...

Já nem se dão ao trabalho de disfarçar.
Beijinhos para ti São.

Unknown disse...

Só falta dizer que vão começar a comer criancinhas ao pequeno almoço. Grande abraço Tozé.

Rui Raimundo disse...

Todos uma máfia. Sair do Euro seria um grande passo para a total independencia para este Pais que já foi Grande. Vamos ver se os novos governantes teem tomates para tomar essa decisao. Abraço Mano