sexta-feira, 29 de abril de 2011

Conto Como Foi - Os 37 Anos do PS no Barreiro





Assinalam-se hoje e pelo menos eu e estou certo de que o António Cabós, comemoramos os 37 anos da abertura da Secção do Barreiro do Partido Socialista. Comemoro porque para mim, enquanto viver, tal constitui um motivo de orgulho e grata recordação que ninguém me tirará, apesar dos silêncios e das omissões, nuns casos deliberadas, noutros por simples inércia e hábito de considerar que o mundo começou connosco há instantes e logo a memória não interessa para nada. Mas interessa e se bem que não se possa viver de recordações e o tempo, ao contrário da única canção "proibida" depois do 25 de Abril, não volte para trás é muito útil conhecer o passado para que se possa construir o futuro. Infelizmente são mais as vezes que este preceito é ignorado do que seria desejável, pelo que o Mito de Sísifo continua a fazer todo o sentido.
No dia 29 de Abril de 1974, escassos dias após a Revolução, dois miúdos, apesar do nosso mais de um metro e oitenta, um com dezanove anos fresquinhos (o António Cabós) e outro à beira dos dezoito (este vosso amigo) foram a Lisboa, à Cooperativa de Estudos e Documentos, falar com o João Soares, então também muito jovem e expuseram-lhe o seu intuito de abrir um "Núcleo", era assim que se dizia, do PS no Barreiro. Ele mostrou-se entusiasmado com a ideia e disponibilizou-nos Declarações de Princípios e Programas recém impressos, ainda cheirando a novo, que carregados até mais não, trouxemos para o Barreiro de táxi até ao Terreiro do Paço, de barco até ao Barreiro e novamente de táxi no Barreiro, onde até tivemos que enfrentar a acrimónia bronca e reaccionária do motorista (ainda anda por aí) que chegou ao ponto de "sugerir" que se a "coisa voltasse para trás" ainda poderíamos "aparecer pendurados nalgum candeeiro". Felizmente para todos a "coisa não virou" (pelo menos logo) e nem nós, nem ele, "aparecemos pendurados" onde quer que fosse.
A primeira sede do PS no Barreiro situou-se na Rua Almirante Reis junto ao então (e por mais cerca de 30 anos) quartel dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública, numa casa térrea que tinha sido dos pais do nosso amigo e camarada José Manuel Ferreira ("Bandeireiro"). Foi aí que se juntaram jovens como Carlos Alberto Dias, João Paulo Carvalho, Vítor de Almeida e menos jovens, pelo menos de idade, como José Coelho Fraga e o saudoso Mestre Manuel Cabanas, estes dois últimos já membros do Partido, e se iniciaram as actividades políticas, então num contexto muito difícil, do PS no Concelho pautadas pela unidade na acção com todas as forças democráticas e anti-fascistas, apesar de todas, e foram muitas e variadas (uma delas até está na origem do nome deste blog, como verão se recuarem até à primeira postagem) as vicissitudes que o processo então iniciado comportou.
Para que fique assinalado a bem da verdade e para que a memória se não apague.

4 comentários:

Serviço de Psicologia e Orientação da ESHN disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
olhodeagua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
olhodeagua disse...

Em que ano foi a v/ mudança para uma das lojas do Campo D Manuel de Melo do FC Barreirense? Lembro-me de assistir à vossa azáfama com essa instalação (Prof. Ant.º J. Ferreira, Dr. Ant.º Cabós e o Mestre Cabanas), mas não me recordo do ano.

imank disse...

A mudança foi no mesmo ano de 74. Como aquela sede da Almirante Reis era muito precária, o empresário Manuel Gomes cedeu-nos graciosamente uma loja nas arcadas do Campo do Barreirense,agora demolido.
A actual sede do PS é a quarta, pois ainda houve uma outra no Largo de Santa Cruz.